Prototype to learn

Um desenho ajuda, um protótipo resolve.

Prototipar é o acto de tornar tangível uma ideia, dúvida ou pressuposto. É a experiência de testar e confrontar a nossa intenção com a realidade. Um protótipo permite que uma ideia interaja com o contexto e com as pessoas, muito mais cedo que o produto final.

Prototipar é a nossa melhor oportunidade de errar. Onde erra o protótipo não erra o produto final.

A prototipagem acompanha o processo de design do início ao fim. Há protótipos que se podem fazer numa reunião de brief, no decorrer de uma pesquisa de campo, no desenrolar de um brainstorm, ao mesmo tempo que se desenha e se simula no computador ou na linha produção.

Assim, é clara a presença contínua do acto de prototipar durante o processo de design. No início os protótipos são em maior número e acabam por definir as especificações do produto. No fim serão as especificações do produto a definir o protótipo.

prototypes_inngage design

Primeiro (espaço problema) encontramos os protótipos a que chamamos de Knowing Prototypes. São os protótipos que nos ajudam a perceber o contexto, a tirar conclusões e a eliminar preconceitos. Ajudam a definir o problema e a gerar ideias.

Knowing prototypes - cardboard models
Knowing prototypes – cardboard models

Segundo (espaço solução) encontramos os protótipos a que chamamos Showing Prototypes. Aqueles que validam uma ideia, que apoiam as decisões e nos ajudam a perceber se determinada coisa irá funcionar. Os que comunicam uma solução.

Showing prototypes
Showing prototypes

Não interessa o quê e como prototipa. Interessa porque prototipa. O foco de um protótipo deve estar na forma como pode transmitir feedback sobre o que se procura entender. Algumas dicas que podem ser úteis na necessidade de prototipar:

  1. Não pense, não questione. Construa. As perguntas vêm depois.
  2. Barato e rápido. Não é preciso grande investimento para prototipar. Cartão, cartolina, fita cola, palhinhas e muita imaginação.
  3. Saia fora do contexto. Procure soluções já construídas e testadas noutros segmentos (brinquedos, bricolage) e adapte ao seu protótipo.
  4. Não perca tempo a embelezar um protótipo. Quanto mais bonito for o protótipo menos verdadeiro será o feedback.
  5. Errar é positivo* por isso é que se prototipa! Se o protótipo não funcionar ou não cumprir os requisitos, óptimo. Aprenda com os erros e prototipe outra vez.
  6. Lembre-se porque é que prototipa: para aprender. Não guarde os protótipos, use-os, dê a outros para usar, parta-os, rasgue-os, melhore-os.

*Pare. Recue os anos que forem necessários até ter 1 ano de idade. Se nunca tivesse caído enquanto aprendia a andar hoje era incapaz de correr!

A drawing helps, a prototype solves. 

Prototyping is the act of turning tangible an idea, doubt or assumption. It is the experience of testing and the confrontation of our intention with reality. A prototype allows an idea to interact with the context and the people, much sooner than the final product. 

Prototyping is our best chance to fail. Where the prototype fails, the final product doesn’t.

Prototypes follow the design process from the beginning till the end. Prototypes can be made in a briefing meeting, during a field research, in the middle of a brainstorm, while we sketch or simulate in a computer, or even in the production line.

Thus it is clear the continuous presence of the act of prototyping during the design process. In the beginning there are several prototypes, defining the product specifications. In the end, product specifications will define the prototypes.

Firstly (problem space) there are the prototypes we call Knowing Prototypes. These prototypes help us understand the context, generate insights and eliminate preconception. They help us with the problem definition and ideas generation.

Secondly (solution space) there are the Showing Prototypes. Theyvalidate an idea, supporting decisions and helping us to know if something will work. They communicate a solution.

It doesn’t matter what and how you prototype; it matters why you do it. The focus must be in how it can give feedback about what you want to understand. Some useful tips about the need to prototype: 

  1. Don’t think, don’t ask. Just build: the questions will come later.
  2. Cheap and fast. You don’t need a huge investment to prototype: use cardboard, paper, tape, straws and lots of imagination.
  3. Step out of context. Look for solutions already built and tested in other segments (toys, DIY) and adapt them to your prototype.
  4. Don’t waste time beautifying the prototype. The more beautiful the prototype is, less truthful will be the feedback.
  5. Failure is positive* thats why you prototype! If the prototype doesn’t work or meet the requirements, good: learn with the mistakes and prototype again.
  6. Remember why you prototype: to learn. Don’t keep the prototypes: use them, give to others to use, break them, tear them and improve them.

*Stop. Go back till you were 1 year old. If you had never fallen while you learned to walk, today you couldn’t run!

Advertisements